Notícias

25 de novembro de 2016 - 13:14

Horário de verão: economia não justifica malefícios à saúde

Audiência pública em Brasília reforçou posição do deputado Colatto, contrária à adoção do horário

Horário de verão: economia não justifica malefícios à saúde

Brasília, 24 de novembro de 2016 – “Não há maneiras de comprovar a economia de energia atribuída ao horário de verão”. A afirmação é do mestre em energia solar, Alexandre Heringer Lisboa, durante audiência pública da Comissão de Seguridade Social e Família ocorrida na manhã desta quinta-feira (24/11). A audiência foi motivada pelo projeto de lei 397/2007, de autoria do deputado federal Valdir Colatto, que propõe o fim do horário de verão.

Para Lisboa, a economia com a adoção do horário de verão, na ordem de 0,5%, está abaixo da margem de erro. “Além disso, analisando dados do Operador Nacional do Sistema (ONS), é possível observar que durante o verão, a demanda máxima de energia ocorre no início e meio da tarde, e não no final, para justificar o aproveitamento da luz natural”, destacou o mestre Alexandre Lisboa. Ele acrescentou ainda, como sugestão, que o governo invista num programa de aquecimento solar, como alternativa para a adoção do horário de verão.

O médico especialista em cardiologia, Guilherme Honório Pereira, iniciou sua apresentação destacando que a economia de R$150 milhões com o horário de verão, representa apenas R$ 1 por brasileiro, o que significa menos de R$0,008 por dia. Honório Pereira trouxe estudos relacionados ao horário de verão realizados em todo o mundo e destacou os prejuízos causados ao sono das pessoas. Uma das pesquisas, realizada com 55 mil pessoas da Europa central, que continuaram no horário padrão por todo o horário de verão, analisou os picos de sonolência e do estado de alerta e concluiu que a adaptação nunca ocorre. “Essa pesquisa faz cair por terra o conceito de que ocorre apenas uma hora de perda no sono. Ou melhor, a perda não existe, pois, as pessoas acordam uma hora mais cedo, mas dormem uma hora mais cedo também”, pontuou o médico.

O cardiologista mostrou ainda, estudos norte-americanos que atestam o aumento de 25% no número de ataques cardíacos na segunda feira após início do horário de verão. Já no final deste horário foi verificada a queda no número de infartos em 21%. Para além disso, existem estudos que comprovam o aumento do número de suicídios, em decorrência de depressão causada por distúrbios do sono; aumento nos acidentes nas estradas, atribuído à sonolência diurna; diminui o rendimento escolar de crianças e jovens; e as consequências de erros profissionais que podem acabar em morte.

Para o deputado Colatto, as bruscas alterações de horário que ocasionam distúrbios que causam fadiga, dores de cabeça, confusão de raciocínio, irritabilidade, constipação e queda da imunidade são suficientes para justificar o fim do horário de verão. “Se a saúde das pessoas não é importante, o que é? Dizem que economizamos energia, mas de que vale essa economia se estamos perdendo vidas? ”, questionou o deputado catarinense.

Colatto defende que o horário de verão seja extinto, visando a melhoria na qualidade de vida da população. “Os trabalhadores rurais são os que mais relatam as consequências do horário diferenciado. O desconforto que a adoção deste horário acarreta é experimentado por todos que são obrigados a acordar mais cedo, incluindo as crianças”, destacou Colatto.

Uma das medidas propostas pelo parlamentar e que pode solucionar o alto consumo de energia é o desenvolvimento de ações permanentes do governo que possam orientar e educar a população brasileira sobre o uso consciente de energia nos horários de ponta, das 18 horas às 21 horas. “Está claro que quem paga a conta dessa medida é o Sistema Único de Saúde (SUS) e a população”, alerta.

Galeria de Imagens

Horário de verão: economia não justifica malefícios à saúde
Esclarecimentos sobre o Projeto de Lei de Política Nacional de Fauna  - (PL 6268/2016)
Medidas Contra a Corrupção
Lei 13.288/2016
PEC 215
Informativo
Cartilha Nova Lei dos Motoristas
Rádio Colatto Online
Código Florestal Brasileiro